Empresa de São Paulo alcança resultados impressionantes

São Paulo 04/04/2019

Queda nas vendas, demissões, pouco ou nenhum fluxo de caixa, esse cenário é comum em nosso pais

Infelizmente o Brasil é um dos paises com maior número de empresas que caminham para falência em pouquíssimo tempo apos sua abertura

Em três anos, 341,6 mil empresas foram fechadas no Brasil, aponta IBGE

Em meio a problemas financeiros e poucas vendas, empresas tem buscado meios alternativos para conseguir manter o volume de vendas e crescimento financeiro.

Foi o caso dessa empresa que conseguiu ir de R$ 40.000,00 para R$ 300.00,00 de Faturamento em um mês de pouca procura.

A empresa conta que depende hoje exclusivamente dos meios digitais para atrair clientes e manter um fluxo positivo em meio a períodos de crise.

Inovação e Criatividade

A empresa optou por contratar profissionais para gerenciar e definir metas comerciais, conta a gestora Taciane Gomes, que é responsável comercial da empresa.

É difícil para um profissional fazer duas coisas ao mesmo tempo, ou nós atendíamos nossos clientes ou fazíamos Marketing, a escolha dos profissionais veio por meio de uma indicação de um amigo.

A empresa experimentou nos mês seguinte um aumento expressivo no volume de contatos e como consequência no volume de vendas diretas, é claro que o investimento valeu apenas, conta.

Processo Seletivo

A empresa passou por um processo Seletivo uma especie de triagem, para avaliar o possível resultado e os pontos que deviam ser melhorados internamente, já que uma demanda muito maior poderia prejudicar a empresa.

Para isso ela contou com uma equipe formada por profissionais em Vendas e Marketing, a empresa usou mais de 12 canais distintos de comunicação e optou pelo canais com maior resultado.

Você pode conhecer um pouco mais do processo clicando nesse botão abaixo.

Visitar Site

Pais em Crise

Em meio à crise econômica, o Brasil teve 341,6 mil empresas fechadas em três anos. O comércio foi o segmento mais afetado, com 262,3 mil empresas fechadas neste período. É o que apontam as Estatísticas do Cadastro Central de empresas divulgadas nesta quarta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o levantamento, em 2016 havia pouco mais de 5,05 milhões de empresas ativas no país, o que representa uma queda de 6,3% na comparação com 2013, quando o número total de empresas ativas chegava a cerca de 5,4 milhões.

Do total de empresas fechadas neste período, 76,8% eram do segmento comercial. Segundo o IBGE, em 2013 havia 2,2 milhões de empresas voltadas ao comércio e em 2016 este número caiu para 1,94 milhão – uma queda de 11,9%.

Depois do comércio, em números absolutos, a indústria de transformação foi o segmento empresarial que mais fechou empresas no período – foram 37,6 mil fechamentos, o que corresponde a uma queda de 8,4%. O segmento de alojamento e alimentação aparece em terceiro lugar, com 15,6 mil empresas fechadas de 2013 a 2016, uma redução de 4,8%.

Alguns segmentos, no entanto, registraram aumento no número de empresas. No ramo da educação, foram 42,3 mil empresas a mais de 2013 a 2016 – uma alta de 32,6%. As empresas voltadas à saúde humana e serviços sociais tiveram incremento de 30,2 mil unidades no mesmo período, um amento de 18,9%. Já as atividades imobiliárias registraram acréscimo de 15,3 mil empresas –22,3% a mais.

Com o fechamento das empresas, o total de empregados no setor empresarial caiu em 6,8% entre 2013 e 2016, o que representa um contingente de 3,7 milhões de trabalhadores.